10. julho 2020

Arquivos Saúde - Bessa News

25 de junho de 2020
onibus.png

3min42

O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, se reuniu, na tarde desta segunda-feira (22), com o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano (Sintur) para receber e avaliar as estratégias para formulação do protocolo de retomada das atividades do transporte público de passageiros na Capital. O diálogo se faz necessário em virtude das ações de prevenção e combate à pandemia do novo coronavírus que a Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) está adotando para que a cidade volte gradualmente à nova normalidade. O retorno da circulação dos ônibus está previsto para a segunda fase do plano de flexibilização.

 

“Recebemos todo o material proposto pelo setor de transportes com relação às novas normas, ao protocolo que está sendo sugerido. A Prefeitura tem feito esse acompanhamento passo a passo para que possamos fazer o retorno seguro e sem jogar fora todo o esforço que foi feito não só pela nossa gestão, mas também pelo povo de nossa cidade. Nossa ideia é dar passos seguros que garantam a preservação da vida e saúde de nosso povo”, afirmou o prefeito Luciano Cartaxo.

 

Segundo o prefeito, a Superintendência de Mobilidade Urbana (Semob) irá avaliar as propostas do setor e alinhá-las às normas de segurança estabelecidas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e aos protocolos estabelecidos na Capital pela Secretaria de Saúde (SMS), feitos por médicos e sanitaristas. Todas as ações a serem adotadas no retorno da circulação dos ônibus, assim como de outros setores, se dará mediante análise de avaliação de risco.

 

Desde o mês de março, o transporte público teve as atividades paralisadas dentre as ações adotadas para evitar aglomerações e os ônibus passaram a circular apenas para o transporte de profissionais e trabalhadores da área da saúde, que estão na linha de frente das ações de combate à pandemia. Durante todo este período, o distanciamento social segue como a principal medida para conter a propagação da Covid-19. Mesmo com o início do Plano Estratégico de Flexibilização, a orientação para que as pessoas permaneçam em casa e só saiam em caso de necessidade, segue como válida. No espaço público, o uso de máscara também segue como obrigatório.

 

Fonte: PMJP


15 de abril de 2020
marcos-pontes-remedio-close.jpg

4min487

O ministro de Ciência e Tecnologia Marcos Pontes fez um anúncio animador nesta quarta, 15. Disse que o Brasil vai testar nas próximas semanas um “remédio promissor” contra covid-19.

Em entrevista coletiva em Brasília, transmitida ao vivo por emissora de rádio e TV, ele afirmou que o medicamento demonstrou ter 94% de eficácia em análises in vitro, com células infectadas pelo novo coronavírus.

Ele revelou que ao menos 500 pacientes com a covid-19 – que não estejam em estado grave – vão participar dos estudos clínicos.

“Para garantir a continuidade dos testes clínicos, e por questões de segurança, o nome do medicamento selecionado será mantido em sigilo até que os resultados dos testes clínicos demonstrem a sua eficácia em pacientes”, informou em entrevista coletiva.

Ele revelou apenas que o remédio tem formulação pediátrica e preço acessível.

“O que se pode adiantar é que o fármaco tem baixo custo, ampla distribuição no território nacional e sua administração não está relacionada a efeitos colaterais graves e que pode ser usado por pessoas de diversos perfis inclusive em formulações pediátricas”, afirmou.

Pontes revelou que as análises preliminares apontaram que o remédio não teria efeitos colaterais para os pacientes.

Previsão 

Pontes falou que o remédio já é produzido no Brasil e “não nos deixa dependentes de outros países”.

“Imaginando que tudo isso funcione, pois nós estamos entrando nos testes clínicos, vamos ter um medicamento, testes e a vacina, essa mais para frente. Esperamos no meio de maio ter uma ferramenta efetiva para combater essa pandemia no Brasil”, disse Pontes.

Como

O remédio teria sido descoberto após testes com cerca de dois mil medicamentos.

Cientistas do CNPEM/MCTIC usaram alta tecnologia biologia molecular e estrutural, computação científica, quimioinformática e inteligência artificial para encontrar seis moléculas promissoras que foram testadas in vitro com células infectadas pela covid-19.

Dos seis remédios pesquisados, dois reduziram a replicação viral em células e o remédio mais promissor teve 94% de eficácia nos ensaios com células infectadas.

Com informações da JP e AgênciaBrasil

Fonte: SóNotíciaBoa


26 de março de 2020
higienização-mercado.jpeg

3min67

A Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) realizou o trabalho de higienização dos mercados públicos Bessa, Cruz das Armas e Rangel nesta quinta-feira, 26. O serviço foi coordenado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Sedurb), Centro de Vigilância Ambiental e Zoonoses (CVAZ), Defesa Civil, Vigilância Sanitária e a Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (Emlur).

 

O serviço faz parte do esquema de prevenção e combate a Covid-19 e iniciou nesta terça-feira e vai abranger todos os 18 mercados públicos e espaços destinados à realização de feiras na cidade. O trabalho começou pela Feira de Jaguaribe. “Nesse momento, em que a população só deve sair de casa em casos de extrema necessidade, nos preocupamos com a higienização desses espaços, uma vez que a população precisa estar abastecida de alimentos”, explicou Zennedy Bezerra, secretário de Desenvolvimento Urbano.

 

Funcionamento – A Sedurb, pasta responsável pela administração dos mercados, também está disciplinando o horário de funcionamento desses locais. A Feira de Jaguaribe, que tradicionalmente acontece às quartas-feiras, passa a acontecer a cada 15 dias, durante o período de quarentena. No Mercado de Mangabeira, o funcionamento acontece até às 13h30 e o Mercado da Torre até às 16h.  Lembrando que só estará funcionando o setor de frutas e verduras, demais pavimentos tiveram os serviços suspensos. Já a Central de Comercialização da Agricultura Familiar (Cecaf), no José Américo, permanece fechada.

“Lembrando que só estão funcionando os pavimentos de frutas e verduras, demais áreas dos mercados tiveram as atividades suspensas. A Cecaf está fechada porque recebe agricultores de mais de 120 municípios do estado. Neste momento, achamos por bem suspender o funcionamento como medida de prevenção contra o novo coronavírus”, reiterou Zennedy.


18 de março de 2020
1800x1200_coronavirus_1-1280x853.jpg

4min116

A Secretaria de Estado da Saúde recebeu, na tarde desta quarta-feira (18) o exame que confirma o primeiro caso de COVID-19 no estado. Trata-se de um homem de 60 anos, residente no município de João Pessoa, com histórico de viagem para Europa, retornando ao Brasil no dia 29/02. O paciente foi atendido pela rede privada, esteve em isolamento domiciliar e já está fora do período de contaminação da doença.

 

Já o caso de uma mulher de 39 anos, que faleceu na madrugada de quarta-feira (18), no Hospital Universitário Nova Esperança (HUNE), em João Pessoa, a Secretaria de Saúde informa que a paciente foi notificada como um dos casos suspeitos até o momento de COVID-19. O material para teste foi colhido e no momento a SES aguarda o resultado dos exames. A paciente apresentava comorbidades, ou seja, presença de mais de uma ou de várias doenças na mesma pessoa.

 

Até o momento, a Paraíba realizou a notificação e coleta de 96 casos, sendo 1 confirmado, 16 descartados e 80 aguardam resultado da análise dos exames pelo Instituto Evandro Chagas, em Belém-PA, referência regional. Todos os exames são realizados seguindo os critérios estabelecidos pelo Ministério da Saúde.

 

Boatos – O secretário de Estado da Saúde, da Paraíba, Geraldo Medeiros, desmentiu, em entrevista, a um programa de rádio local, na tarde desta quarta-feira (18), a informação que chamou de ‘boato’ de que estaria havendo subnotificação dos casos de coronavírus no estado. Segundo ele, o sistema de saúde está preparado com todo o suporte necessário para identificar e tratar os casos.

 

O secretário explicou que, desde o dia 21 de fevereiro, há um planejamento estratégico que contempla todos os cenários possíveis. “Temos 590 respiradores que podem ser remanejados e oito ondas que podem ser disparadas, paulatinamente, com 30 leitos de enfermaria e 10 leitos de UTI, distribuídos de acordo com a demanda e que serão disparados, novamente, quando 50% dos leitos estiverem ocupados. Temos 250 leitos de UTI.

 

Em relação à disponibilidade de coleta de material e exames, temos os técnicos de vigilância em saúde da Secretaria e um posto de coleta no Juliano Moreira, criado nesta terça (17), obedecendo ao protocolo do Ministério da Saúde”, disse.

 

“Infelizmente uma médica destemperada e sem conhecimento propicia o pânico na população. O governo está pronto para enfrentar o coronavírus, inclusive, estamos sendo referência para outros estados nesse combate. Estamos funcionando dentro dos critérios técnicos do Ministério da Saúde”, denunciou.

 

De acordo com ele, a Secretaria de Estado da Saúde (SES), não realiza coleta indiscriminada de material. “Todos os materiais estão sendo enviados ao Instituto Evandro Chagas, em Belém do Pará e divulgamos os resultados assim que recebemos, pelo sistema, os resultados definitivos”, declarou.

 

O secretário agradeceu a todos os servidores da instituição. “Todos estão trabalhando com abnegação e compromisso social objetivando propiciar aos paraibanos a assistência à saúde adequada num momento que nos deparamos com uma pandemia”, falou.

 

“Recomendamos aos pacientes acima de 60 anos, diabéticos, hipertensos, enfisematosos, renais crônicos, cirróticos, com câncer fazendo quimioterapia, portadores de lúpus, artrite reumatóide e aqueles que utilizam corticóides, permanecerem em casa e evitarem aglomerações”, orientou.


18 de março de 2020
coronavirus.jpg

5min66

Coronavírus é uma doença viral respiratória e sua transmissão costuma ocorrer pelo ar ou por contato pessoal com secreções contaminadas. A recomendação do Ministério da Saúde (MS) para os casos suspeitos graves é que os pacientes sejam hospitalizados. Já para os casos suspeitos mais leves não há a necessidade de hospitalização, sendo acompanhados por equipes de saúde dos municípios e instituídas medidas de precaução domiciliar.

 

De acordo com a gerente executiva de Vigilância em Saúde da SES, Talita Tavares, quem avalia e determina o isolamento domiciliar é o médico junto com uma equipe de vigilância em saúde e por um prazo de 14 dias. “Esse prazo pode se estender por até igual período, conforme resultado laboratorial que comprove o risco de transmissão do vírus. Durante esse tempo, a equipe de vigilância entrará em contato com o paciente, regularmente, para monitorar o estado de saúde daquela pessoa”, explicou.

 

Uma portaria publicada na semana passada no Diário Oficial da União traz um regulamento dos critérios de isolamento e quarentena que deverão ser aplicados pelas autoridades de saúde local para pacientes com suspeita ou confirmação de infecção por coronavírus no Brasil. As orientações são:

 

• Você deve limitar todas as atividades fora de sua casa, exceto para obter assistência médica. Não vá para o trabalho, escola ou áreas públicas e não use transporte público ou táxi/passeio.

Use uma máscara quando estiver na mesma sala com outras pessoas e quando você visitar um médico. Se você não pode usar uma máscara, as pessoas que vivem com você devem usar uma enquanto estiverem na sala com você.

• Lave as mãos frequentemente e completamente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Use álcool gel a 70% se não houver água e sabão e se suas mãos não estiverem visivelmente sujas. Evite tocar seus olhos, nariz e boca.

• Cubra a boca e o nariz com um lenço de papel quando tossir ou espirrar, ou você pode tossir ou espirrar na parte interna da dobra do braço, e lave imediatamente as mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos.

• Evite compartilhar itens domésticos. Não compartilhe pratos, copos, xícaras, utensílios de cozinha, toalhas, roupas de cama ou outros itens com outras pessoas em sua casa. Depois de usar esses itens, você deve lavá-los cuidadosamente com água e sabão.

• Limite as pessoas em casa àqueles que prestam cuidados. Restrinja os visitantes que não precisam estar em casa. Outros membros da família devem ficar em outra casa ou local de residência. Se isso não for possível, outros membros da família devem ficar em outra sala ou serem separados da pessoa doente o máximo possível. A pessoa doente deve usar um banheiro separado, se disponível.

• Limpe superfícies como balcões, mesas, maçanetas, louças, banheiros, telefones, teclados, tablets e mesas de cabeceira pelo menos uma vez por dia. Limpe imediatamente todas as superfícies que contenham sangue ou outros fluidos corporais.

 

A gerente executiva lembra que, se a pessoa não tiver nenhum sintoma, poderá continuar com suas atividades diárias como ir ao trabalho, escola ou outras áreas públicas. Talita Tavares alerta ainda que as pessoas não são consideradas em risco de infecção por coronavírus se não tiverem contato próximo com alguém que está confirmado como tendo ou sendo avaliado para Covid-19.

 

Fonte: Governo da PB


17 de março de 2020
reunião_lucianocartaxo_secretariado_foto_dayseeuzebio-1280x853.jpg

3min89

O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo, anunciou, na manhã desta terça-feira (17), o fechamento das escolas e creches da rede municipal de ensino. Como medida preventiva à pandemia da Covid-19, o Núcleo Intersetorial de Prevenção e Cuidados definiu o fechamento a partir desta quarta-feira (18) até o dia 18 de abril, podendo este prazo ser prorrogado. Para continuar dando assistência às crianças das creches e do ensino em tempo integral, será organizado um cronograma de atendimento aos pais e responsáveis para que as famílias tenham acesso à merenda que seria ofertada.

 

A suspensão das aulas atinge a educação infantil, ensino fundamental, médio, técnico e superior. Apesar dos 30 dias sem aulas, a Secretaria Municipal de Educação e Cultura esclarece que não haverá prejuízo à manutenção do calendário escolar estabelecido pelo Ministério da Educação. A medida atinge 65 mil alunos matriculados na rede municipal da Capital. A alimentação será mantida, com recursos próprios, para as 85 creches e 32 escolas que funcionam em tempo integral, totalizando 23 mil alunos beneficiados com a distribuição dos alimentos, como o almoço e fruta, respeitando o cronograma estabelecido em cada unidade escolar, que será informado aos pais e responsáveis.

 

Também ficou decidido o fechamento da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, teatros públicos, parques municipais, Centro de Línguas Estrangeiras (Celest), Celeiro – Espaço Criativo e demais centros culturais, além do Parque da Bica. Para os estabelecimentos privados como cinemas, teatros e academia de ginástica, a Prefeitura de João Pessoa também recomenda o fechamento.

 

Os programas municipais que reúnem muitas pessoas em um mesmo ambiente, como Academias de Saúde, o Programa Vida Saudável, os serviços de convivência e fortalecimento de vínculos, Escola Social e o Abraçando o Esporte estão suspensos.

 

A Prefeitura determinou que os servidores municipais irão trabalhar em regime de dias alternados, sendo o cronograma definido por cada secretaria. À medida, excetuam-se os profissionais da Saúde, Defesa Civil, Guarda Municipal, Gabinete do Prefeito e secretários.

 

Fonte: PMJP